A PRIMEIRA DÚVIDA DA MULHER SAMARITANA

A PRIMEIRA DÚVIDA DA MULHER SAMARITANA

JTP19

A leitura superficial que fizermos, sem olhar a circunstâncias senão as da própria diegese (narrativa pura e simples), diz-nos que a primeira pergunta da mulher de Samaria junto ao poço de Jacob, foi por uma questão de espanto por uma linha divisória quebrada.
Contudo, com uma simples petição (dá-me de beber), Jesus  declarou que a separação entre os povos em geral, e judeus e samaritanos em particular, tinha os dias contados. A pergunta da Samaritana reflectiu inconscientemente o espanto desse sucesso, isto é, que uma parede estava derrubada onde o evangelho se faz presente (cf. Gl 3.28; Ef 2.14).
Todavia, a primeira dúvida da mulher, reveste-se de uma forma que carece uma análise hermenêutica mais profunda, teologicamente, mas também literária, do ponto de vista do que esconde a linguística, com o estilo da pergunta, com ironia e lógica, desconhecimento e espanto.
“Disse-lhe a mulher: “Nem sequer tens um balde (ἄντλημα) e o poço é fundo! Donde é que tiras a água viva?” ( Edição Comum BPT, 2015-555)
A SEMIÓTICA DA ÁGUA
O manancial arquetípico da água perpassa pela narrativa joanina, desde o princípio do capítulo 4 do Evangelho. Inicia-se com a tipologia e a semiótica para além do simples acto do baptismo (águas): “Jesus soube que os fariseus tinham ouvido dizer que ele(…) baptizava mais discípulos do que João”.
A água do poço de Jacob, acima do seu referencial histórico, era água de manancial, de acordo com o comentário da conhecida Bíblia de Jerusalém ( Desclee de Brouwer, NT, 1976-128), simbolizava a vida dada por Deus, de grande importância no Oriente.
Quando na literatura ocidental, o poeta T.S.Eliot (1888-1965) deixa escrita uma das grandes poéticas das primeiras décadas do século XX,  a obra “A Terra sem Vida”, como uma profecia da Europa que será um  “amontoado de pedras” nas décadas de 30 e 40, deixa o grito da necessidade da “água nascente”, “se houvesse água parávamos e bebíamos”, “se houvesse água e não rocha”, mas numa explícita referência  a Jeremias, 2,13, afirma que há “cisternas vazias” e “poços sem água”.

A DÚVIDA DA SAMARITANA RECOMPENSADA
Cristo revela a sua identidade, não apenas a uma mulher, mas a alguém samaritano.  A mulher, entre os judeus, não era senão um objeto pertencente ao marido, pertencia ao lote do seus imóveis, dos seus servos, numa posse legal que o Evangelho e as Cartas paulinas vieram abolir.
O pedido de Jesus, defendem exegetas e sociólogos da educação,  foi no sentido não apenas da sua necessidade fisiológica, mas tendo em vista o seu método para mover os ouvintes para revelarem atitudes e acções. Diz-se que usou métodos andragógicos (método de ensino para os adultos) em seu ministério de ensino e pregação: lições práticas (e referem João 4.1-42)  Aqui, Jesus Cristo utilizou a simbologia da “água” para ajudar a mulher a perceber o que é a “água viva”, teologicamente.
Na continuação da sua lição e auto-testemunho sobre a água, para além do seu sentido “líquido”, isto é, volúvel, transitório, efémero, Jesus indica usando uma alocução kerygmática ( como se pregasse): “Se tu conhecesses o que Deus tem para te dar, e quem é aquele que está a pedir água, tu lhe pedirias e ele dava-te água viva” (BPT).
A esta afirmação, a mulher samaritana responde com a lógica do que apenas vê,  dos limites da realidade, o que está diante dos seus olhos, existe mesmo ainda que velada, uma tentativa de ironizar, “nem sequer tens um balde” ou “donde é que tiras a água viva” (NT A Boa Nova Para Toda a Gente, Sociedade Bíblica, 1979)
A POÉTICA DA NARRATIVA
Rosanna Eleanor Leprohon, que foi poeta e novelista canadiana, escreveu um extenso poema nos finais do século XIX, que as águas de que Jesus falou continuam “puras e brilhantes”, “águas vivas que fluem”.  E referiu-se à samaritana como “Filha de Samaria” cujo testemunho perdura pelos séculos fora. Que devemos esquecer “pensamentos de orgulho terreno e vãs esperanças na ganancia do mundo, / Basta-nos beber uma vez dessa água, nunca tornaremos a ter sede”

© João Tomaz Parreira

O SILÊNCIO de Martin Scorsese

O SILÊNCIO

 silence_21-11-2016_peq

                O silêncio de Deus só acontece até que abramos a nossa Bíblia. Quando abrimos a Bíblia o silêncio de Deus é interrompido. Deus fala-nos sempre que O ouvimos e Ele sempre nos fala pela Palavra que nos deixou. O filme “O SILÊNCIO” não é o silêncio de Deus mas da mordaça que o autor pretende colocar-Lhe tentando encontrar um ponto de apoio na narrativa do Getsémani quando o próprio Filho de Deus levanta a Sua voz diante do Pai e nenhuma resposta parece ouvir-se. Mas o silêncio é apenas aparente. Jesus esteve sempre com o Pai. Ele conhece como mais ninguém a Palavra que o Espírito Santo inspirou. Muitas vezes Ele a citou e explicou, muitas vezes identificou a Sua concretização na Sua própria pessoa. Jesus mesmo é chamado de a Palavra, o Logos divino, o Verbo. Jesus falou da Palavra como sendo a verdade. Jesus declarou aos religiosos que eles se equivocavam por desconheciam o poder e a Palavra de Deus, que buscavam estudar a Palavra e era ela que dava testemunho a Seu respeito.  Jesus declarou que os céus e a terra passariam mas as suas palavras não, atribuindo-lhes essência divina – palavra de Deus! Foi no seio da Trindade que o plano de resgate da humanidade foi determinado e decretado. A vontade do Pai e do Espírito Santo também era a Sua. O texto não mostra qualquer relutância, mas o reforço no momento decisivo que não havia outra opção para que fôssemos salvos. Falta-nos a perceção real da condição em que nos encontramos e o que Jesus tornou possível. Entre o céu e o inferno, o amor e o perdão, a santidade e a justiça, a misericórdia e a liberdade de uma natureza totalmente entretecida pela natureza divina em imagem e semelhança e como Seus filhos; e o inferno de ódio e rebeldia, onde não cabe um pingo de amor.

                A pergunta de Jesus no Getsémani há muito que tinha uma resposta. A pergunta é colocada mais por causa de nós, do que por Sua causa. Jesus sabe que não há um plano B. Mas nós não sabemos e temos muitas dúvidas. O nosso principal pecado, ou o pecado genético reside em julgarmos que a nossa situação não é assim tão grave que tenha exigido a morte expiatória do próprio Filho Deus. Embora não tenhamos sido nós que a exigimos nem o príncipe das potestades do mal – o próprio Diabo. É Deus quem requer que assim seja. A situação só podia ser resolvida daquela forma, precisamente no ponto absoluto e radicalmente oposto que gerou a nossa rebelião e morte. O Filho de Deus em amor absoluto e radical dá a Sua vida em obediência. A vida de Deus pelas vidas de todos os homens, para que os homens tenham de volta a vida de Deus.

                O autor impõe ao cristianismo retratado um silêncio profundo da palavra do próprio Cristo. Não se ouve a citação dos evangelhos, os ensinos de Jesus, as Suas palavras são silenciadas. A Reforma ainda não tinha trazido ao Japão a Palavra de Deus e os jesuítas haveriam de ser o braço da Contra-Reforma com os seus próprios inquisidores, tendo levado muitos ao martírio. O que encontramos no filme é um cristianismo em que sobressaem as práticas do batismo, da eucaristia e de alguns símbolos muito rudimentares. A abjuração da fé é demonstrada por pisar um baixo-relevo de pequenas dimensões com uma figura tosca crucificada que é colocado no chão, e numa outra ocasião por cuspir num crucifixo.

                Recuso qualquer leitura crítica ou qualquer juízo sobre a fé dos que morrem ou dos que renegam a fé. Só Deus conhece e sabe tudo a respeito do coração. Não sei sequer se o filme merece credibilidade do ponto de vista histórico do modo como a fé era vivida naquele tempo. Partindo do princípio que sim, a única coisa que posso adiantar é que a fé evangélica não é o que ali se apresenta na sua verdadeira essência. E não posso deixar de notar a ausência da Bíblia como a Palavra de Deus.

                O filme narra a viagem de dois padres portugueses, Rodrigues e Garrpe, ao Japão convictos de que não podia ser verdade que o seu professor e confessor tivesse renegado a fé como constava. Depois de um contacto com comunidades que viviam a sua fé de forma clandestina acabam às mãos dos homens do inquisidor. Este estrategicamente conduz a perseguição usando todos os meios para que os padres abandonem a fé, e alcança êxito fazendo-os assistir ao martírio dos que mesmo tendo já renunciado, só serão poupados se eles fizerem o mesmo. O padre Garrpe atirasse à água para morrer juntamente com um grupo que é morto por afogamento. E é Rodrigues que resistindo a todas as investidas é finalmente colocado diante do padre Ferreira, seu mentor. Aí este tenta convencer o seu discípulo a desistir com vários argumentos que hoje encaixam que nem uma luva na cultura pós-moderna. Afinal de contas cada um tem a sua forma de compreender e entender a Deus, o Cristo pelo qual morrem os cristãos é outro Cristo, até por Francisco Xavier levou-os a entender o Filho de Deus como o Sol que nasce todos os dias, ao contrário de Cristo que ressuscitou passado três. O inquisidor-mor também não lhe fica atrás defendendo que existe uma árvore para cada solo e outras subtilezas que põem em causa a existência da VERDADE e da grande comissão que Jesus deixou à Sua Igreja. A parte final adensasse num debate subtil e por vezes irónico, em que o relativismo e o pluralismo são dirimidos sob as sombras da intolerância, do terror, da tortura mais cruel. Não é muito notório um argumento que tem um certo peso e que consiste na ideia de que o que movia a chamada “evangelização” era mais um colonialismo cultural e económico, embora me parece que ele aparece de uma forma disfarçada e diluída na referência a Espanha, Portugal e Holanda, em que a Europa procura dominar aquelas paragens e daí retirar os seus lucros.

Como não poderia deixar de ser não podia faltar a esta tentativa de persuasão que acaba por parecer lograr êxito, a ideia de que Deus é o mesmo em todas as confissões religiosas, até mesmo quando uns defendem que Deus é a coisa criada e se confunde com a natureza (panteísmo) e os que afirmam com a Bíblia que Deus é uma pessoa em que a criação e o Criador nãos e confundem e do que Jesus é o expoente máximo e inultrapassável de evidência. Na verdade não é possível colocar tudo dentro do mesmo saco. Há uma diferença intransponível entre as conceções humanas de Deus e a revelação divina na pessoa de Jesus Cristo, e que está de forma sublime apresentada na Bíblia e o Espírito Santo torna real e vivida perante a nossa mente, coração e em nosso espírito.

Aparece igualmente ao longo do filme uma personagem que constantemente volta para se confessar, atormentado pelas seus constantes recuos quando os outros sofrem o martírio e a morte por crucificação dentro de água, até que com o subir da maré acabam por morrer afogados, os que são afogados amarrados numa esteira, os que são queimados vivos e, talvez o mais infame de todos os martírios os que são colocados de cabeça para baixo, pendurados pelos pés e com a cabeça dentro de um esgoto e aos quais fizeram um pequeno lenho na cabeça para que gota a gota de sangue se vão esvaindo. Já vi algumas exposições de meios de tortura, mesmo as que a inquisição perpetrada pela igreja dominante infligiu aos chamados apóstatas, à revelia do ensino bíblico; e sempre fico estupefacto pela crueldade da natureza humana mesmo quando advoga que o faz em nome de Deus, o que é de todas a maior blasfémia. No entanto ateus e agnósticos, não foram em muitos momentos da história menos sanguinários e sádicos.

Jesus de um modo muito claro sempre se opôs a esta inclinação malévola do uso da força, mesmo quando Ele, o Filho de Deus, o Criador na forma da criatura, estava em causa e sofreu como nenhum outro, porque o Seu sofrimento não foi apenas físico, mas espiritual ao tomar sobre Si a iniquidade de todos nós. Lembremos o ensino de Jesus no evangelho de Lucas: “João disse a Jesus: ‘Mestre, vimos um homem a expulsar espíritos maus em teu nome e proibimo-lo, porque não é dos nossos.” Mas Jesus corrigiu-os: ‘Não proíbam isso, porque quem não é contra nós é um dos nossos.’ Como já estava a chegar à altura em que havia de ser levado deste mundo, Jesus tomou a decisão de ir a Jerusalém. Mandou à frente alguns mensageiros e eles foram a uma aldeia dos samaritanos para prepararem a chegada de Jesus. Mas como os da aldeia perceberam que ele ia para Jerusalém, não o receberam. Então os discípulos Tiago e João, ao verem aquilo, disseram: ‘Senhor, queres que mandemos descer fogo do céu para os destruir?’ Mas Jesus voltou-se para eles e repreendeu-os. E foram para outra aldeia.” (Lucas 9:49-56 – BPT). E como não podia deixar de ser o ensino de Jesus no chamado Sermão do Monte e que é de uma clareza total: “Ouviram o que foi dito: Amarás o teu próximo e desprezarás o teu inimigo. Mas eu digo-vos: Tenham amor aos vossos inimigos e peçam a Deus por aqueles que vos perseguem. É deste modo que se tornarão filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz brilhar o Sol tanto sobre os bons como sobre os maus, e faz cair a chuva tanto para os justos como para os injustos. Se amarem apenas aqueles que vos amam que recompensa poderão esperar? Não fazem também isso os cobradores de impostos? E se saudarem apenas os vossos amigos, que há nisso de extraordinário? Qualquer pagão faz o mesmo! Portanto, sejam perfeitos como o vosso Pai celestial é perfeito.” (Mateus 5:43-48 – BPT).

Para quem conhece a Bíblia não é novidade que os seus nomes venham a ser mudados e sejam dados como maridos de mulheres cujos esposos morreram, adotando igualmente os seus filhos. Quando Rodrigues morre fica-se com a impressão de que terá sido a sua “companheira” que, sem verter uma lágrima, terá colocado um dos toscos crucifixos entre as suas mãos escondido, sendo que o corpo há-de ser queimado e as suas cinzas lançadas às aguas, para que nenhum dos seus membros venha a tornar-se uma relíquia e a ser venerado.

                Não tenho a certeza mas julgo que o mentor apóstata chega a afirmar que o próprio Cristo recuaria na Sua morte se soubesse que ela implicaria a morte dos Seus seguidores. Quanta ignorância a respeito das palavras de Jesus no próprio evangelho falando aos Seus discípulos acerca do que os esperava.

                Não concordamos com quem defende que “O filme de Scorsese dava um tratado teológico” (revista VISÃO, 19 janeiro 2017, p. 122) porque o filme desenvolve-se de costas voltadas para o texto de onde a teologia deve brotar. Esquecer a Bíblia é negar o cristianismo. Só existe fé cristã no solo sagrado da Escritura. É isto precisamente que a Reforma vem reivindicar a partir do próprio texto. É isto que a Contra-Reforma católica romana vem por meios igualmente violentos, colocar em causa. No ano de 2017 celebram-se os 500 anos da reforma protestante. Não é por acaso certamente que este filme agora surge. Mas a história é o que é. E a Bíblia hoje está traduzida amplamente e está disponível para que cada um possa ler e crer de forma consciente e não ignorante. Quem conhece o texto bíblico consegue rapidamente encontrar as diferenças entre a igreja neotestamentária, a igreja primitiva, a igreja dos primeiros anos, os que foram martirizados e o que encontramos em o SILÊNCIO.

                O filme é profundamente atual, porque hoje, por meios ainda mais subtis pretende-se diluir a fé cristã. Muitos dos que se apresentam enquanto tal manifestam uma profunda ignorância das palavras e dos ensinos de Jesus. Existem igrejas que se apresentam como evangélicas e, portanto, herdeiras do movimento da reforma e que superaram em muito a superstição, as tradições pagãs, o comércio das almas, o negócio da religião, o fausto dos líderes num escândalo grotesco, que suscitaram o movimento reformador. O magico-sacramentalismo chega a atingir foros verdadeiramente absurdos, chocantes e ridículos.

                500 anos depois da reforma precisamos levar a sério um dos seus lemas que consiste numa igreja reformada sempre em reforma, sempre vigilante para se pautar pelo ensino da Bíblia Sagrada. Hoje necessitamos de vincar as várias “solas” que a reforma enunciou de acordo com o texto bíblico – sola scriptura, sola gracia, sola fide, solo Cristo, Soli Deo Glória.

                Nos dias que correm de comodismo, apatia, indiferença, e sem chama e compromisso, é escandaloso que alguém esteja disposto a morrer pela sua fé, muito menos que morra por causa de crer em Deus, de reconhecer Jesus como único SENHOR e SALVADOR. Hoje é intolerável que se assuma que Jesus Cristo é único, singular e supremo. Mas na verdade é o próprio Jesus que o diz acerca de Si mesmo e outra coisa não pode ser se é efetivamente quem Ele diz que é – o EU SOU entre nós. Com tudo isto vai na enxurrada a condição humana decaída, o pecado e a corrução geral de toda a humanidade, a necessidade da morte de Jesus para expiação, redenção, justificação, resgate e reconciliação de todos os homens com Deus mediante o arrependimento e a conversão, para um nova vida. Só por Jesus a morte vale a pena, porque ela é vida e glória eternas. Não se procura o martírio, não se pode usar de linguagem desabrida ou de actos provocatórios, porque não foi assim que aprendemos de Jesus a fé. Hoje, como no passados, milhares de cristãos expõem as suas vidas por causa de Cristo única e exclusivamente. Não têm fitos políticos, nem de domínio cultural, muito menos de proveitos económicos. Apenas querem viver a sua fé na relação pessoal com JESUS, e terem a liberdade de O partilharem. Porque na verdade em Jesus temos vida eterna, relação pessoal com Deus, amor que se recebe e dá, e sem sombra de dúvida, este JESUS eu desperta em nós esta fé, conduz-nos a uma sociedade melhor. Aqui poderão existir momentos de perseguição, mas a glória porvir não é para comparar com os sofrimentos presentes. Oremos pelos são perseguidos, e saibamos nós aproveitar a liberdade não deixando que ela descaracterize ou dilua a nossa fé e compromisso com Aquele que é o Caminho, a Verdade e a Vida – JESUS CRISTO!

 

                Fiquemos com algumas das palavras de Jesus no evangelho de Mateus:

                “Felizes serão quando vos insultarem, perseguirem e caluniarem, por serem meus discípulos! Alegrem-se e encham-se de satisfação porque é grande a recompensa que vos espera no céu. Pois assim também foram tratados os profetas que vos precederam.” (Mateus 5:10-12 – BPT).

 

                “Eu vos envio como ovelhas para o meio dos lobos. Portanto, sejam cautelosos como as serpentes e simples como as pombas. Tenham muito cuidado! Haverá homens que vos levarão aos tribunais e vos hão-de espancar nas suas sinagogas. Vão ter que comparecer diante de governadores e de reis, por minha causa. Aí darão testemunho de mim, a eles e aos pagãos. Quando vos entregarem às autoridades não se preocupem como hão-de falar, nem com o que hão-de dizer. Nessa altura, Deus vos dará as palavras, pois não serão vocês a falar, mas sim o espírito de Deus, vosso Pai, que falará por vosso intermédio.

                Haverá irmãos que hão-de entregar os seus próprios irmãos à morte, e pais que hão-de entregar os próprio filhos. E haverá filhos que se hão-de revoltar contra os pais e os hão-de matar. Serão odiados por toda a gente por minha causa, mas aquele que se mantiver firme até ao fim será salvo.

                Quando vos perseguirem numa cidade, fujam para outra. Garanto-vos que o Filho do Homem há-de vir antes de terem ido a todas as cidades de Israel.

“Nenhum discípulo está acima do seu mestre, nem um servo acima do seu senhor. Basta ao discípulo que venha a ser como o seu mestre e ao servo como o seu senhor. Ora se ao dono da casa já chamaram Belzebu, que nomes hão-de chamar aos outros membros da família!”

                Não tenham medo deles! Não há nada encoberto que não venha a descobrir-se, nem há nada escondido que não venha a saber-se. O que eu vos digo em segredo, digam-no à luz do dia, e aquilo que vos é dito ao ouvido, apregoem-no em cima nos telhados. Também não devem ter medo dos que matam o corpo mas não podem matar a alma. Temam antes a Deus que pode fazer perder tanto o corpo como a lama no inferno. Não se vendem dois pássaros por uma moeda? No entanto, nem um só deles cai ao chão sem o vosso Pai querer. Até os cabelos da vossa cabeça estão contados! Não tenham medo! Vocês valem mais do que muitos pássaros.”

                “Todo aquele que se declarar a meu favor diante dos homens, também eu farei o mesmo por ele diante do meu Pai que está nos céus. Mas àquele que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante do meu Pai que está nos céus.”

                “Não pensem que vim trazer a paz à Terra. Não vim trazer a paz, mas a guerra. Vim, de facto, trazer a divisão entre filho e pai, filha e mãe, nora e sogra: os inimigos de uma pessoa serão os da sua própria família”.

                Aquele que amar o pai ou a mãe mais do que a mim, não é digno de mim; e o que amar o filho ou a filha mais do que a mim, não é digno de mim. Aquele que não pegar na sua cruz e não me seguir, não é digno de mim. Aquele que pensa que tem a sua vida segura, perde-a, mas aquele que perder a sua vida por minha causa é que a tem segura.”

(Mateus 10:16-39 – BPT)

 

                “Ai de vós, doutores da lei e fariseus fingidos! Constroem os túmulos dos profetas e fazem belos monumentos aos mártires, e declaram: ‘Se tivéssemos vivido nos tempos dos nossos antepassados, não os teríamos juntado a eles para matar os profetas!’ Desse modo confessam que são descendentes daqueles que assassinaram os profetas. Acabem então o que os vossos antepassados começaram!

                Serpentes! Raças de víboras! Como é que hão-de escapar à condenação do interno? Por isso eu vos mandarei profetas, sábios e mestres; mas vocês hão-de matar alguns e crucificar outros, espancar alguns nas sinagogas, perseguindo-os de cidade em cidade. Portanto,, é sobre vocês que há-de cair o castigo pela morte de todos os inocentes, desde Abel, o justo, até Zacarias, filho de Baraquias, que vocês assassinaram entre o tempo e o altar. Fiquem sabendo que é sobre esta geração que vai cair o castigo por tudo isto!”

                Jesus continuou: ‘Oh, Jerusalém, Jerusalém! Matas os profetas e apedrejas os mensageiros que Deus te envia! Quantas vezes eu quis juntar os teus habitantes como a galinha junta os pintainhos debaixo das asas! Mas tu não quiseste. Agora, a tua casa vai ficar abandonada! E digo-vos que não voltarão a ver-me até à altura em que disserem: ‘Bendito seja aquele que vem em nome do Senhor!’” (Mateus 23:29-38 – BPT) 

 

Samuel R. Pinheiro

www.deus-e-amor01.webnode.pt

“Devoção mariana e (re)construção do feminino no Cristianismo”

“Devoção mariana e (re)construção do feminino no Cristianismo”

SamuelPinheiro _ 2016out23 7

O Instituto de Cristianismo Contemporâneo (ICC), que integra o centro de investigação da Área de Ciência das Religiões (Lusófona (CICMER) organizou a sua Linha de Investigação em sete Unidades de Investigação do qual uma delas é a que nos serve de título e que, sendo uma pessoa que se habituou a assumir posição pública sobre as suas convicções, não lhe posso passar ao lado, porque me provocou uma reflexão.
É com profundo reconhecimento pela sua influência na formação de gerações nas últimas décadas que lembro o saudoso teólogo evangélico John Stott e o Instituto de Cristianismo Contemporâneo que fundou em Inglaterra. Instituto que tinha por base não o subjetivismo opinativo de quem quer que seja, mas uma busca permanente e contínua no texto bíblico face às realidades do nosso quotidiano contemporâneo e que o texto inspirado trata de forma inultrapassável. John Stott foi um eximiu pensador e escritor e tenho um profundo apreço pela obra que nos deixou e que para mim tem sido de grande ajuda na carreira cristã. É que na verdade não há cristianismo fora das balizas da revelação escrita que é a Palavra de Deus, o resto pode ter o título que tiver mas andará por fora da essência do que é ser cristão. O cristianismo articulado em Jesus Cristo não pode prescindir ou secundarizar a Sua Palavra. O Cristianismo não é resultado do que eu queira criar, mas do que Ele é, da Sua vida e do Seu ensino. Isto mesmo ficou muito bem traduzido num dos seus muitos livro “Ouça o Espírito, Ouça o Mundo”. Ouvir a realidade que nos circunda é essencial para quem está comprometido com Cristo, mas sempre para responder a essas interpelações com a revelação do Espírito constante da Bíblia enquanto Palavra de Deus. Não reconheço outra forma de estabelecer um Instituto de Cristianismo Contemporâneo, e por muito que isso pareça retrógrado ou conservador, não consigo falar de cristianismos contemporâneos. Cristianismo só há um e tema ver com a pessoa de Jesus Cristo, por Ele próprio, nas narrativas dos que lidaram de perto com Ele desde o início e foram testemunhas da Sua ressurreição.
Considero logo à partida que o tema está eivado de uma inconciliável contradição, ou falamos de cristianismo ou falamos de marianismo. Os dois não podem existir em simultâneo. Cristo não está dividido. A devoção a Maria, ou melhor dizendo, a adoração de Maria, porque é disso que se trata, não pode coexistir biblicamente com Jesus Cristo. Isso é bem visível na nos evangelhos e em toda a restante literatura inspirada do Novo Testamento. Custa-me mesmo a acreditar como é que com honestidade se pode sugerir semelhante proposta face ao que encontramos no texto bíblico.
O marianismo é uma construção herética do catolicismo romano sem uma ponta de suporte no ensino e prática da igreja neotestamentária. Eu sei que isto pode parecer ofensivo e pouco tolerante para o pluralismo e relativismo religioso que impera. Mas a questão é qual o fundamento que temos para estabelecer o que é e o que não é a fé cristã. Nem tudo pode caber na fé cristã só porque queremos ser simpáticos. Isto não é uma questão de simpatia. Maria foi uma pessoa muito especial na graça divina para ser a mãe do Salvador. Mas daí a ser catapultada para o que o marianismo tem realizado vai uma distância que o evangelho não respalda, que o evangelho contraria e que, no meu entender, fere os próprios evangelhos na sua centralidade em Jesus Cristo.
Defendo que devido à influência negativa do catolicismo no sul da europa, não temos apreciado nem dado o devido relevo à pessoa de Maria como mulher piedosa, temente a Deus, disponível para que nela se realizassem os propósitos e desígnios divinos. Nesse aspeto e em outros ela é para nós um estímulo à nossa própria dependência de Deus. Agora isso é totalmente distinto do marianismo nem é compaginável com ele. Não se trata de um marianismo moderado face a um mais amplo. Não há qualquer laivo de marianismo no texto bíblico e isso deveria ser suficiente para quem aborda a questão.
Associar o marianismo ao feminino construído ou reconstruído é despropositado do nosso ponto de vista. O evangelho sempre valorizou a mulher. A escolha de Maria é um dos exemplos, mas não é o único. As mulheres apoiarem o ministério público de Jesus. Jesus ministrou às mulheres como aos homens. Foram as mulheres as primeiras a terem um encontro com Ele depois de ressuscitado, e as primeiras que se tornaram porta-vozes da Sua ressurreição. Na história da igreja relatada no livro de Atos, e a história ao longo de todos os tempos, as mulheres têm um papel que não pode ser subalternizado ou minimizado. Não negamos que existiu e continua a existir uma força de oposição a um papel mais destacado e interveniente das mulheres na liderança eclesial. Começo por considerar que a questão colocada em termos de títulos perde a sua pertinência face ao evangelho. Para Jesus o que importa é que todos sejamos servos e servas! A ideia de hierarquia com a figura do papa no topo, não corresponde ao que a Bíblia nos apresenta. Por isso a prescrição de cotas na organização eclesial é despropositada, porque para a nomenclatura bíblica, a igreja não é uma organização mas um organismo e como todos bem sabemos num corpo todos os órgãos são igualmente importantes independentemente do valor que lhe possamos atribuir.
Voltando à origem da nossa reflexão o marianismo não serve nem nunca serviu a (re)construção do feminino no cristianismo, mas a uma heresia que nega e se opõe ao verdadeiro cristianismo. A idolatria que subjaz ao marianismo é por si só suficiente para evidenciar a sua oposição à verdadeira fé cristã. Mas as doutrinas que lhe estão ligadas são uma afronta ao ensino bíblico: virgindade perpétua, maternidade divina, imaculada conceição, coredentora, intercessora e medianeira, assunção ao céu, rainha do céu.
O facto é que o catolicismo romano que está na origem do marianismo e da mariolatria, e de todas as doutrinas que lhe estão subjacentes, tem sido quem mais se tem oposto a uma participação e intervenção das mulheres de um modo mais pleno, ao contrário de um número muito significativo de igrejas reformadas, protestantes e evangélicas.
O feminino no cristianismo não vive em função de heresias, mas da sua natureza em Cristo que é tudo e em todos.

“Foram renovados de acordo com a imagem do próprio Deus e criados por ele para o conhecerem. Assim, não se voltará a pôr mais a questão de ser ou não ser judeu, de estar circuncidado ou não, de ser ou não civilizado, estrangeiro, escravo ou livre, pois Cristo é tudo e está em todos.” (Colossenses 3:10,11 – BPT)
“Pois pela fé que vos une a Jesus Cristo são todos filhos de Deus. Com efeito, todos os que foram baptizados em Cristo revestiram- se das qualidades de Cristo. Não há diferença entre judeus e não-judeus, entre escravos e pessoas livres, entre homem e mulher. Agora constituem um todo em união com Cristo Jesus. E se são descendência de Abraão e herdeiros de acordo com a promessa.” (Gálatas 3:26-29 – BTP)

 
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

EU CREIO QUE DEUS EXISTE

EU CREIO QUE DEUS EXISTE

Para mim não há como não crer em Deus diante de Jesus Cristo!

 SamuelPinheiro 6

                Poderia dizer que não posso deixar de acreditar que Deus existe diante do Universo, do sistema solar, do planeta Terra em que vivo; diante de um nascer ou pôr-do-sol, de um grão de areia ou de um átomo. Não posso deixar de crer em Deus diante de mim mesmo e dos meus semelhantes, de cada célula do meu corpo, do meu cérebro, do meu coração, dos meus olhos – de todo o meu corpo, da minha capacidade de pensar, de sentir, de escolher, de decidir. Podia e posso dizer que não posso deixar de crer que Deus existe perante o Livro dos livros – a Bíblia Sagrada!

                Mas tudo isso é pouco diante da pessoa incomparável, única, singular, exclusiva que é Jesus Cristo, e cuja História eu leio no Livro de Deus. Ele é o Verbo divino, o Logos, o Verbo encarnado, o Criador que tomou a forma humana.

                - O Seu nascimento é único no ventre de uma virgem por obra e graça do Espírito Santo, que aceita o veredito divino tendo certamente alguma consciência do que isso causar à sua reputação e do seu noivo. Jesus nasce num estábulo porque os pais não encontraram para ele lugar numa estalagem, embora estivessem preparados para encontrar o melhor lugar para o bebé que iria nascer. Magos vieram do Oriente porque viram a Sua estrela, quando os religiosos e a classe política em Jerusalém ignoravam o assunto. Pastores no campo foram alertados para o acontecimento e vieram adorá-lo.

                - A sua vida é absolutamente singular sempre voltada para abençoar todos os que Dele se aproximavam, provocando a mente e o coração dos que O interpelavam, desafiando cada um dos que a ele se dirigiam para uma nova vida de amor a Deus e ao próximo. Fazendo milagres mesmo quando não fora interpelado para tanto. A sua vida foi vivida na dimensão do poder de Deus e manifestando a Sua glória. Nada do que a desobediência, o pecado, as circunstâncias e as situações, tenham gerado, paralisava o Seu amor e o Seu poder. Tudo servia para que Deus fosse glorificado pela manifestação da Sua graça.

                - A Sua morte substitutiva, em que Deus na dimensão humana, assume sobre Si próprio toda a maldade, e nos alcança um perdão pleno. Difícil, senão mesmo impossível de entender pelas nossas mentes tacanhas e limitadas. Para nós o pecado é um simples e leve desvio de uma rota pouco definida. Mas para a Trindade é a negação da essência da natureza divina com que todas as coisas vieram a existir. Não havia plano B para Deus. O pecado só podia ser revertido, não com uma absolvição ou indulto que manteria tudo na mesma, mas por uma intervenção radical (nas raízes, no âmago do próprio problema). Deus estabelece que essa solução passa pela vinda do Seu Filho em carne pela Sua morte a nosso favor. Nós O matámos na nossa cegueira desobediente e rebelde, e tendo morrido de livre e espontânea vontade, mata a morte pela Sua morte ressuscitando de entre os mortos.

                - A Sua ressurreição que nos dá a certeza de uma vida eterna, de uma nova realidade, num corpo glorificado e sem mais lágrimas, morte, dor ou sofrimento. A vitória é-nos concedida para não vivermos mais à mercê do pecado. Já não temos que viver na agonia de tentar resolver a nossa condição por nós mesmos. A nossa riqueza ou a nossa pobreza não o podem almejar. É o próprio Deus que o realiza. Repugna-nos? Ofende-nos? Choca-nos? Deslumbra-nos? Ofusca-nos? Tudo pode acontecer! Mas está realizado e assumido, reivindicado e tacitamente determinado. Jesus morreu e ressuscitou. Nele recebemos a vida de Deus que permanece eternamente.

                - A Sua ascensão com a garantia de um novo paracleto, o Espírito Santo que estaria connosco e em nós. Voltou para o Pai de onde veio, mas enviou o Espírito Santo para viver dentro de nós. Agora podemos ser templo de Deus. Não é em santuários de pedra que Deus almeja fazer morada, mas em homens e mulheres de carne e osso. Pequenos, frágeis, vulneráveis, impotentes, sujeitos ao desgaste dos anos; ainda assim é nesses vasos de barro que Deus quer fazer a sua residência permanente.

                - A Sua promessa de segunda vinda e de uma nova era que incendeia a nossa esperança e não nos atola nas nossas incapacidades, impotências e não nos exclui de um envolvimento determinado, sem depender de nós em última instância.

                - A Sua influência na História como nenhum outro, ela não seria o que foi apesar de tudo o que carrega de violência, morte e destruição.

                - A perseguição voltada para Ele ainda hoje na pessoa dos Seus seguidores, e da Sua Igreja.

                - Os erros e as falhas, os crimes cometidos em Seu nome, mas que apenas ressaltam a Verdade da Sua Pessoa.

                - Dos Seus ensinos de uma forma de vida de acordo com a natureza do Criador, e demonstrada na Sua própria existência entre nós. Dando também a perceber que tudo isso só pode acontecer a partir de uma transformação de fundo, um novo nascimento, uma mudança que vai gradualmente expressando-se dando lugar ao Espírito e não à velha natureza, às estruturas do mal e às forças espirituais da maldade.

                - Da Sua vida inigualável, sempre em consonância com a vontade do Pai e do Espírito Santo.

                - Dos Seus relacionamentos acolhendo os que eram rejeitados, marginalizados, excluídos. Amando os que os religiosos consideravam que Deus nunca poderia amar e aceitar, muito menos conviver com eles. Por isso no momento da sua morte, quando expirava na cruz, o véu do templo que separava o lugar santo do lugar santíssimo, onde só o sumo-sacerdote uma vez por ano poderia entrar. Agora com ousadia podemos entrar na presença de Deus onde quer que nos encontremos, adorando-O em espírito e em verdade. O maior de todos os crimes que representa na essência o que o pecado é – o homem matando Deus feito Homem, o Justo, perfeito, completo, sem falhas… recebe da parte da Vítima inocente um pedido de perdão: “Pai perdoa-lhes porque não sabem o que fazem”. Neste perdão todos estamos incluídos. O pecado foi perdoado, os crimes foram perdoados. Só não somos perdoados se rejeitarmos o perdão. A nossa condenação não está na ausência de perdão, mas na nossa não aceitação. Porque a todos quanto O recebem, deu dá-lhes o poder de serem filhos de Deus aos que creem no Seu nome.

                - Da Sua absoluta e perfeita dependência do Pai no mover do Espírito Santo – confiança incondicional, e que é patenteado na Sua plena tranquilidade, paz e segurança.

                - Da Sua amizade com os marginais, samaritanos, pecadores e publicanos –a escória, os que eram tidos como o lixo da sociedade, os mal comportados.

                - Da Sua frontalidade perante os religiosos na sua hipocrisia e arrogância.

                - Do modo como lidou com toda a oposição, ofensa, maus tratos, provocação.

                - Das declarações estonteantes que fez a Seu próprio respeito e que em outro qualquer seria motivo de doença mental.

                - Dos milagres que preencheram a Sua vida mostrando que para Deus não existem impossibilidades, acalentando a fé na Sua pessoa na certeza de que ainda hoje acontecem, e como antecipação de um novo futuro em que o milagre estará sempre presente, porque os efeitos da maldade desaparecerão.

                - Da Sua excelência e perfeição ética e moral sem arrogância, sem em nada diminuir a Sua graça, misericórdia e amor incondicional.

                - Dos convites que nos dirigiu para o novo homem, uma nova vida, um novo nascimento, um novo começo, mudança e transformação.

                Não posso deixar de crer na existência de Deus e de crer nesse Deus que se deu a conhecer em Jesus Cristo, porque Nele e por Ele somos reconciliados com a natureza excelsa e gloriosa Dele mesmo e na qual fomos plasmados no início, quando o homem e a mulher foram criados.

                Se queremos saber que Deus existe escrutinemos a Sua vida.

Se queremos saber quem Deus é mantenhamos um relacionamento próximo com Ele na narrativa da Sua vida pelos evangelhos e no Espírito Santo que os inspirou.

Se queremos saber como Deus olha a dor e o sofrimento acompanhemos a Sua vida entre nós.

Se queremos saber como Deus age em relação a todos nós como pecadores que continuamente erramos o alvo da nossa vida, prestemos atenção à Sua relação e proximidade com o Pai, na plenitude do Espírito Santo.

Se queremos saber como podemos e devemos viver, mantenhamos a Sua vida continuamente diante de nós. Deus na forma humana viveu nas nossas condições a vontade expressa e definida pela Sua natureza, sem transigir, mas sem qualquer laivo de arrogância.

 

“Nunca ninguém viu Deus. Só o Deus único, que está no seio do Pai, o deu a conhecer.” (João 1:18 – BPT).

“Porque Deus está totalmente presente em Cristo, de forma corporal, e ele tornou-vos completos naquele que é a cabeça de todos os poderes e autoridades.” (Colossenses 2:9 – BPT).

“Até á vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, guarda sem defeito nem mancha o que te foi mandado. Na devida altura ele há-de aparecer pelo poder daquele que é bendito, o único soberano, o Senhor dos senhores. É ele o único que não morre. Ele vive rodeado de uma luz que ninguém consegue penetrar. Ninguém o viu nem poderá ver. A ele seja dada honra e poder para sempre. Ámen.” (I Timóteo 6:14-16 – BPT).

“Sem fé ninguém pode agradar a Deus. Quem se aproxima de Deus deve acreditar que ele existe e recompensa os que o procuram.” (Hebreus 11:6 – BPT).

 

 

Samuel R. Pinheiro

www.deus-e-amor01.webnode.pt

a.C. – d.C.

a.C. – d.C.

SamuelPinheiro 5

 A História divide-se entre antes e depois de Cristo. Biblicamente podemos dizer que Cristo é a chave da História tanto no antes como no depois. O antes e o depois é definido pela presença em carne e osso, na forma humana, de Deus entre nós. Pode até acontecer que um dia um qualquer anticristo imponha que o tempo se conte de modo diferente. Nesta corrente de acontecimentos em que tudo o que afirme Jesus Cristo é considerado uma afronta para o relativismo e pluralismo religioso tudo pode acontecer, por mais louco e absurdo que possa parecer. Mas na eternidade, antes de todas as coisas existirem Jesus é a chave da História. Ou seja em Jesus temos Deus e o Homem na terra – 100% Deus e 100% Homem. Um mistério certamente, mas na natureza e na essência é isso que sucede. Não temos duas pessoas ou duas personalidades, mas uma só Pessoa e uma só Personalidade. Essa Pessoa e essa Personalidade é Deus connosco.
A realidade é que esta verdade no tempo é apenas o reflexo da verdade eterna. Tudo o que tem a ver com o plano divino e com o Seu mover na História, existe desde sempre na eternidade. Antes da fundação do mundo o Cordeiro de Deus – Jesus Cristo, foi destinado para morrer a nosso favor conforme nos informa o Espírito Santo pelo apóstolo Pedro na sua primeira carta: “Saibam que foram resgatados daquela vida inútil que tinham herdado dos antepassados. E não foi pelo preço de coisas que desaparecem, como a prata e o ouro, mas pelo sangue precioso de Cristo, como o de um cordeiro sem mancha nem defeito. Ele tinha sido destinado para isso, ainda antes da criação do mundo, e manifestou-se nestes últimos tempos para vosso bem. Por meio dele crêem em Deus, que o ressuscitou dos mortos, e o glorificou. E assim a vossa fé e esperança estão postas em Deus.” (1 Pedro 1:17-21 – BPT).
Na mesma linha de revelação o apóstolo Paulo fala a respeito de todos os que crêem em Jesus, e que segundo o eterno propósito divino foram escolhidos para uma nova vida segundo a Sua natureza de santidade e amor. “Pois, antes de o mundo existir, ele escolheu-nos para juntamente com Cristo sermos santos e irrepreensíveis e vivermos diante dele em amor. Ele destinou-nos para sermos seus filhos por meio de Cristo, conforme era seu desejo e vontade, para louvor da sua graça gloriosa que ele gratuitamente nos concedeu no seu amado Filho.” (Efésios 1:4-6 – BPT).
O amor das três pessoas da Trindade será contemplado e usufruído na sua plenitude pela nova humanidade recriada em Jesus. Esse amor preenche de modo absoluto a eternidade no absoluto divino, e nós estamos vocacionados a contemplá-lo e a vivenciá-lo: “Pai! Que todos aqueles que me deste estejam onde eu estiver, para que possam contemplar a glória que me deste, porque tu amaste-me antes que o mundo fosse mundo.” (João 17:24 – BPT).
O nascimento de Jesus a que se refere o Natal, é o acontecimento na História do que desde antes da criação de todas as coisas Deus tinha determinado que haveria de ser. Deus não foi surpreendido pela decisão do homem de romper com uma vida e natureza em conformidade com a Sua natureza e essência. O homem preferiu a ciência do bem e do mal e ainda hoje se debate com toda a sorte de frutos amargos, envenenados e podres que daí decorrem. O homem foi criado para viver no amor divino, e não na dialética do bem e do mal.
Um dia destes o tempo como o conhecemos atualmente, marcado pela morte, sofrimento, dor, miséria, fome, guerras, violência, iniquidade, corrução e imoralidade, desaparecerá por completo, e um novo tempo cheio do que a eternidade divina representa será instaurado. Deus habitará com os homens e até os instrumentos de guerra serão transformados em utensílios de lavoura, a ovelha pastará com o leão e a criança brincará com a áspide. Nesse dia céu e terra serão uma mesma realidade.
O plano divino consiste em reunir tudo em submissão a Jesus Cristo. “Deu-nos a conhecer o mistério da sua vontade e o plano generoso que tinha determinado realizar por meio de Cristo. Esse plano consiste em levar o Universo à sua realização total, reunindo todas as coisas em submissão a Cristo, tanto nos Céus como na Terra. Foi também em Cristo que fomos escolhidos para sermos herdeiros do seu reino, destinados de acordo com o plano daquele que tudo opera conforme o propósito da sua vontade. Louvemos, portanto, a glória de Deus, nós que previamente já pusemos a nossa esperança em Cristo.” (Efésios 1:9-14 – BPT). Natal é Deus tornando-se parte da humanidade para a redimir e resgatar, trazendo-a de volta ao Seu amor. O amor triunfa radicalmente na vida e morte de Jesus, bem como na Sua segunda vinda para estabelecer novos céus e nova terra. Celebrar o Natal é celebrar esta vitória na nossa vida e na História!
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

O PRINCÍPIO DA NOITE DA TRAIÇÃO – PERSPECTIVAS

O PRINCÍPIO DA NOITE DA TRAIÇÃO – PERSPECTIVAS

JTP18
© João Tomaz Parreira

Da nomeação à representação icónica do traidor e da aceitação por parte deste de trair Cristo, os Evangelistas são comedidos em revelar explicitamente o nome de Judas. Só o Evangelho de Mateus, em discurso directo, nos informa que Jesus disse ao próprio que era ele, Judas, que o trairia, porque este lhe perguntou. “Porventura sou eu, Rabi?”, “ Tu o disseste.” – respondeu Jesus Cristo.
E cremos por todos os contextos dos sinópticos e do impar Evangelho joanino, que nenhum dos outros onze discípulos soube clara e explicitamente quem seria o traidor. É, todavia, João quem revela o mistério a João.
Visto de longe, isto é, perspectivando este acto dito fundacional que levou Jesus Cristo historicamente ao Calvário, baseando-nos nos quatro Evangelhos, permitimo-nos pensar o que estava a ocorrer naquele momento, psicológica e fisicamente, com palavras e olhares. Uma comoção, diríamos uma perturbação da alma colectiva que entristeceu o Cenáculo como uma preparação para a Morte.
Jesus Cristo quis muito aquela última Ceia com os discípulos. “ Desejei muito comer convosco esta páscoa, antes que padeça” – confidenciou-lhes o Mestre. A hora em si mesma já estava trespassada de tristeza. Comer sozinho seria experimentar ou sofrer uma solidão peculiar. A partilha de comida e bebida, por outro lado, chegava até ao mais íntimo da condição sócio-cultural daqueles dias.
O filósofo e crítico literário George Steiner (Paris, 1929-), a este propósito escreveu um célebre ensaio denominado “As duas Ceias” (Two Suppers), no qual compara a Última Ceia dos Evangelhos e “O Banquete” de Platão” sob a égide do Amor Ágape, que, segundo ele, está no conteúdo de ambas.
Aquele filósofo parece privilegiar na Última Ceia o que poderia ter sido Alegria e foi Tristeza, do ponto de vista humano, e não foi só por causa do anúncio do Mestre sobre “alguém” dos doze que o iria trair. Foi também pela Sua solidão, não obstante estar acompanhado. Na obra “O Leitor” narra uma parábola: numa remota vila da Polónia havia uma pequena sinagoga. Uma certa noite enquanto fazia a sua ronda, o Rabi entrou e viu Deus sentado a um canto escuro. Caiu por terra e gritou: “Senhor Deus o que fazes aqui?” O Senhor respondeu-lhe não com voz de trovão, nem num turbilhão de vento, mas com uma voz suave: “Estou cansado, Rabi, estou cansado até à morte”.
Do mesmo modo, aquela Última Ceia antecipava já a tristeza até à morte de Jesus no Getsémani.
“Um de vós me há-de trair”
Há uma questão simples que carece de respostas há dois milénios, para podermos entender o ambiente do Cenáculo.
Na arte pictórica interpretativa do momento do anúncio da traição, Leonardo da Vinci pôs ao nosso dispor a surpresa e a tristeza dos apóstolos, no mural “A Última Ceia”, sobretudo o choque que o rosto de Judas reflecte. Mas isso foi na Arte, na realidade andou por estes caminhos do espanto?
Partindo da chamada “harmonia dos Evangelhos”, da JFA revista e corrigida, percebemos que sim, mas pergunta-se:
1.Jesus falou em voz alta?
2. Só os que estavam perto de Jesus ouviram?
3. Ouviram o nome ou discerniram quem era o traidor?
4. Viram todos a quem Jesus deu o bocado de pão ensopado?
5. Todos tomaram atenção à saída de Judas depois disso?
Ficam as questões.
As respostas estão obviamente nos quatro Evangelhos, mas o mistério também. Mas é o chamado Evangelho Teológico, como era conhecido o de João logo nos inícios da era cristã, que reproduz toda a factualidade e o cerne psicológico da particularidade da ocasião.
Mateus e João desenvolvem na sua diegese o conflito interior pelo qual passaram os Doze. Ao descreverem esse conflito fazem com que o leitor o sinta, mesmo sem o auxílio, por exemplo, do melhor retrato já referido que é, sem dúvida, a tela de Leonardo da Vinci. Acerca desta pintura escreveu alguém que a mesma “não é tanto uma excelsa obra de arte. É igualmente uma minuciosa representação da resposta dos Doze às palavras de Jesus: “Um de vós me há-de trair”.
À luz da historiografia bíblica de hoje, dir-se-ia, com um pouco de exagero, que o acontecimento poderá levar-nos à política religiosa judaica de então e, assim, à religião, estando ambas em conflito. A traição e a necessidade de que assim começasse a acontecer profeticamente para a nossa Salvação.
“ E se alguém lhe disser: Que feridas são estas nas tuas mãos? Dirá ele: São feridas com que fui ferido em casa dos meus amigos.” (Zac XIII, 6)
E não só os cravos perfuraram as mãos do Filho de Deus, mas também a traição do amigo que lhe feriu a alma. Nunca se é traído senão pelos seus, costuma-se dizer. Quem sabe se não foi pela traição no Hamlet de Shakespeare que o dito se generalizou.  ©

PORQUÊ SE DEIXARAM MORRER?

PORQUÊ SE DEIXARAM MORRER?

JTP17

Ler ou ouvir o poema cantado “The End” da mítica banda norte-americana The Doors, apesar da sua estrutura metafórica e da sua semiótica, deixa-nos uma simples e triste mensagem: a morte é a nossa única amiga.
Parece uma canção desesperada, mas é aceite como natural na voz neutra, sem emoções, de Jim Morrison (1943-1971), jovem mito sepultado no cemitério Père Lachaise, em Paris.
“Este é o fim
Belo amigo
Este é o fim
Meu único amigo, o fim
Dos nossos elaborados planos, o fim
De tudo que resta, o fim
Sem salvação ou surpresa, o fim”
Fica-nos a questão para reflectir, por que razão jovens idolatrados pela juventude se deixaram morrer, ou pelo suicídio ou pela adição às drogas? Perde-se no meio do cântico, que é mesmo em estilo de rock psicadélico ou progressivo, conforme os especialistas, um apelo que passa despercebido no caudal do poema escrito por Morrison: “
“Desesperadamente a precisar da mão de algum estranho
Em uma terra de desespero”

Jim Morrison, que usou nos seus versos referências edipianas ( do mito Édipo, de Sófocles), divindade do rock introspectivo dos anos 60/70,  acaba por morrer de ataque cardíaco derivado do abuso das drogas ácidas, LSD, heroína, etc., a morte psicadélica e caleidoscópica dentro do cérebro.

Em 1969, o músico afirmava: “Toda a vez que escuto “The End”, ela significa algo mais para mim. Começa como uma simples canção de despedida provavelmente para uma namorada, mas eu a vejo como uma despedida para um tipo de infância. Eu sinceramente não sei.”

Jim transpunha para as suas músicas toda uma tendência freudiana para analisar os seus traumas de infância e, sobretudo, de juventude. Los Angeles não era um lugar fácil.

Antes dele e trilhando o mesmo caminho, do “único amigo, o fim”, outro ícone da minha juventude: a cantora Janis Joplin (1943-1970), a maior interprete de blues e da soul music, dos anos 60, também se deixara morrer, isto é, foi morrendo aos poucos.
Corre na web, ligado a uma das suas interpretações mais célebres (“Me & Bobby McGee”) um cartaz sobre a cantora que diz:

“Janis Joplin (1943-1970) Drugs took her at 27. Please make a different choise” (“As drogas levaram-na aos 27 anos. Por favor, faça uma escolha diferente”)

Tal não escolha ou escolha errada integrava alguns dos seus cânticos em forma de Blues mais celebrizados e que ainda hoje, com 70 anos, ouço com um nó no coração, não apenas pela sua voz, mas porque se sabe que, na sua adolescência fez parte de um coro de igreja.
A sua vida desde aí não foi um chão de flores, embora se vivesse nos anos 60 a era das “flores no cabelo” dos hippies californianos.
A revista da especialidade “Rolling Stone”, de Agosto de 1970, escrevia que a cantora se desgastara embora animadamente, como quem “dança à chuva”.

Um ou dois exemplos. A letra/ poema “Cry Baby” não é só um poema de amor, mas é um texto que, na voz da cantora, reflecte a dor de uma separação com um pedido premente:

“Querido, bem-vindo de volta a casa / Venha e chore, chore, querido” É uma canção em que a estrada termina, significando isso o que significar na vida, sobretudo quando a dada altura se ouve/lê:
“Querido, venha para a sua mãe agora / Se você quer ter o amor de uma mulher ”.(“I want you to come on, come on to your mama now / And if you ever want a little love of a woman”)
Há uma outra letra/poema de amor desesperado em que o coração de mulher, mulher-companheira, mulher-mãe, se vai desfazendo. “Piece of My Heart” na voz de Janis fala da tristeza que contradizia a exuberância da moda hippie das vestes da cantora.  Começa a conhecer-se um coração destroçado.
“Leve outro pedacinho do meu coração agora, querido! / Oh, oh, quebre-o!
Quebre outro pedacinho do meu coração agora, querido, sim, sim”
Ela trocaria todos os seus amanhãs por um único ontem. Aos 27 anos não pode mais, a sua vida desbotada como as suas jeans. Apesar da liberdade não ser mais do que uma palavra que não se podia perder, Joplin suicidar-se-ia em 1970, ou antes, seria vítima de overdose de heroína.
As drogas continuariam a fazer as suas vítimas. Poderia ter escrito sobre tantos outros, como Kurt Cobain, saudado como “ porta-voz de uma geração”, da banda “Nirvana”, que aos 27 anos também se suicidou com um tiro de espingarda.
Relembro aqui, finalmente, Amy Winehouse, a qual se despedaçou – é o termo que me ocorre – da sua beleza e da sua grande voz, para uma morte igualmente aos 27 anos, engolida pelas drogas e o abuso do álcool, foi encontrada morta na sua casa de Londres, em 2011.
No livro bíblico Eclesiastes, que, de um modo especial em relação a toda a Bíblia Sagrada, é de per se um roteiro de boa vivência e de boa vizinhança com Deus, somos ajudados há milénios a entender-nos ontologicamente e o que podemos obter da vida, do ponto de vista da praticidade do nosso quotidiano, porque não se está na vida por acaso, embora o poeta Álvaro de Campos desse a entender que sim.
O Pregador, sem uma Teologia explícita, abre-nos, por exemplo, todo um conjunto de aplicações do tempo no Tempo e toda uma regra básica de sobrevivência, ligada aos valores com Deus. Leia-se o Eclesiastes, onde o bem da juventude é primacial. “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias”

© João Tomaz Parreira

“Na casa de meu Pai há muitos lugares”

“Na casa de meu Pai há muitos lugares”

SamuelPinheiro 2016out

Um dia vamos partir. Não temos residência permanente aqui. Estamos de passagem. Somos forasteiros e peregrinos. A nossa hora chegará impreterivelmente. Não há como contornar ou escapar. Apenas escaparemos à morte se Jesus vier antes. Este é o último inimigo a ser defrontado, mas é já um inimigo vencido porque Jesus morreu e ressuscitou. Isso significa que a morte já não tem poder sobre nós. O apóstolo Paulo exulta de modo apoteótico no capítulo quinze da primeira carta que o Espírito Santo inspirou para ser remetida em primeiro lugar à igreja na cidade de Corinto: “Ó morte, onde está agora a tua vitória? Onde está o teu poder de matar? O poder da morte é o pecado e o que dá poder ao pecado é a lei. Graças a Deus que nos deu a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo!” (versículos 55 e 56 – BPT).
A declaração que nos serve de título foi proferida por Jesus Cristo. Na realidade só Ele a podia fazer considerando a Sua identidade como o Filho de Deus, o próprio Deus entre nós como o Homem. A morte não faz parte dos planos futuros de Deus, nem dos Seus planos criativos. Ela é a antítese de Deus. Deus é vida. A desobediência, o pecado, é que introduziram a morte na raça humana. O homem não foi criado para morrer, mas para viver a vida de Deus para sempre. Jesus veio porque nenhum homem  podia destruir o poder da morte. Só Ele estava em condições de a destruir e foi isso que Ele fez. Mas ela não podia ser destruída por decreto, tinha que ser destruída passando por ela, experimentando-a. Deus não pode estar sujeito à morte. Não sendo gerado em pecado e não tendo nunca cometido pecado, a morte não tinha domínio sobre Jesus e Ele não podia ser morto. Só Ele se podia sujeitar de vontade própria à morte, e ainda assim, segundo a determinação divina, suportando sobre Si todo o nosso pecado. Por isso desde esse momento, o pecado e a morte foram destruídos. O perdão está ao nosso alcance, é-nos oferecido e com ele a libertação da pena de morte.
Na morte estaremos sozinhos, ninguém estará lá para nos acompanhar, a não ser que entreguemos antecipadamente a nossa vida nas mãos de Jesus nosso Criador e Redentor, Salvador e Libertador. Por isso David, o Salmista, no Salmo vinte e três, inspirado pelo Espírito Santo e ainda antes da vinda de Jesus á terra na Sua missão salvadora, pode declarar em fé: “Ainda que eu atravesse o vale da sombra da morte, não terei receio de nada, porque tu, Senhor, estás comigo. O teu bordão e o teu cajado dão-me segurança.” (verso 4 – BPT)
Não gosto da morte. A morte é uma afronta, um “ente” estranho, um intruso. A partida dos meus próximos, dos meus entes queridos e amigos perturba-me, é um momento doloroso a separação. A Bíblia não esconde a dor causada pela morte de várias personagens, não esconde inclusivamente o facto de que Jesus chorou diante do sepulcro do seu amigo Lázaro, que logo haveria de trazer de volta à vida. Só o Criador para sentir como nenhum outro a perturbação causada na Sua obra pelo pecado. O Novo Testamento não cala a dor e as lágrimas em um ou outro momento da morte de alguns dos seguidores de Jesus. Mas essa dor perfeitamente compreensível é acompanhada de uma gloriosa esperança. No episódio da ressurreição de Lázaro Jesus declarou a Marta, uma das irmãs do defunto: “Eu sou a ressurreição e a vida. O que crê em mim, mesmo que morra, há-de viver. E todo aquele que está vivo e crê em mim, nunca mais há-de morrer. Crês tu nisto?” (João 11:25,26 – BPT)
Quando Jesus proferiu as palavras que usamos como título neste editorial, Jesus começa por sossegar o coração dos Seus discípulos e trazer-lhes ânimo e conforto, fé e esperança: “Não estejam preocupados. Uma vez que têm fé em Deus, tenham também fé em mim! Na casa de meu Pai há muitos lugares; se assim não fosse, ter-vos-ia dito que vou preparar-vos um lugar? Eu vou à vossa frente para vos preparar lugar. E depois de vos ir preparar um lugar, hei-de voltar para vos levar para junto de mim, de modo que estejam onde eu estiver.” (João 14:1-3 – BPT) A razão das razões pra crermos em Jesus é a vida e não a morte. Crer em Jesus significa vida e ainda mais vida, para usar a expressão que Eugene H. Peterson, usa na paráfrase A MENSAGEM (Filipenses 1:21). Como escreveu o apóstolo Paulo acerca de si mesmo, nós também em Jesus, podemos dizer o mesmo: “De facto, para mim o viver é Cristo e o morrer é ganho” (Filipenses 1:21). Só em Jesus o além deixa de ser manipulado pelas trevas, para ser iluminado pela Sua vida e pelas Suas palavras.
Samuel R. Pinheiro
www.deus-e-amor01.webnode.pt

A RESPIGADORA, UMA FIGURA FUNDACIONAL DO VELHO TESTAMENTO

JTP15Ao contrário do que escreve o poeta John Keats (1795-1821), na célebre Ode a
um Rouxinol sobre Rute, atribuindo-lhe um coração triste “quando recordava o
seu lar e chorava diante das searas dum país estrangeiro”,  a verdade é que
esse pathos nostálgico da saudade se transformou em ânimo para aceitar a
vida nova em terra estranha e um trabalho humilde que, aparentemente, a
secundarizava.

No livro bíblico de Rute, canonicamente colocado entre Juízes e os I e II livros
de Samuel, o profeta que poderia ter sido rei numa teocracia, a diegese é um
relato que tem a força da emocionalidade e do profético, da beleza dos
sentimentos à necessidade da afirmação messiânica no meio de um povo
israelita,   governado por Deus através de juízes, que o próprio Senhor suscitou ( Juízes, 2,16)
Em síntese, escreve um comentarista da Bíblia Sagrada JFA, da Editora Vida
Nova, “O livro de Rute descreve a direcção providencial de Deus na vida de
uma família israelita.”

Tal narrativa de vida não deixa de ter a poética – no sentido aristotélico que
determina que sentimos deleite perante o que lemos – a valorizar os
acontecimentos e a conferir-lhe uma estética que é o Belo na vida de Rute e o
que esta representa na genealogia do rei teocrático David, cuja linhagem vai
até Jesus.

OS VERSOS DA ODE DE JOHN KEATS

A celebrada Ode tão cheia de melancolia do canto do rouxinol, que o poeta
romântico inglês escreveu em 1820,  traduz uma visão da vida humana
transitória não isenta de sofrimento e de amargura, em contraste com o alegre
e despreocupado canto do rouxinol.
Esse  canto “pleno e calmo” da ave de Keats, no espaço textual da ode,
aparece com uma equiparação, que o embeleza pelo oposto,  entre a tristeza
do poeta perante a velhice, a mortalidade, o desejo de voar para fora do mundo e a imaginada tristeza que o poeta inglês pensa ver no semblante e na alma de Rute. Ele supõe que esta mulher da Bíblia, ao encontrar-se perante uma gente e uma terra estranhas, sofre da melancolia da saudade.

Os versos, repetindo-os, são os seguintes: “O espírito triste de Ruth, quando
recordava o seu lar / e chorava diante das searas dum país estrangeiro.”
(“Poesia Romântica Inglesa (Byron,Shelley,Keats)”, Inova, 1977, pág.88)
A expressão da natural tristeza e saudade que acompanha quem sai da sua
terra para outra estranha, no caso de Rute, não é contudo mostrada como tal
nas Belas-Artes do Clássico e do Barroco. Por exemplo nas telas a óleo de
Nicolas Poussin (1664) e de Barent Fabricius (1660), ambas revelando o
encontro feliz entre Boaz e Rute.

O DEVASTADOR CAPÍTULO 1 DO LIVRO

O que se iniciou como  tragédia, não era senão o começo do Plano divino.
A partir de um simples e pequeno núcleo familiar,  sem importância social aos
olhos humanos, Deus iria agir universalmente na História.
É, literariamente, uma saga familiar cuja narrativa se exprime num estilo
poético, dolorosamente poético, apontando de igual modo para uma história de
idealidade e de nobreza de carácter.
“Não me instes para que te deixe, e me afaste de ao pé de ti; porque aonde
quer que tu fores irei eu”( 1,16).
A dialogia (a estrutura de diálogo) que se percebe  nesta resposta de Rute à
sua sogra Noemi, desenvolve-se com qualidade visivelmente de poesia:  “ e
onde quer que pousares à noite ali pousarei eu”; como a própria menção do
estado converso de Rute ao Deus de Israel, é feita numa frase lapidar,
metacultural, metahistórica, numa expressividade idiomática antiga: “o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus”.

A narrativa descritiva da chegada de Noemi e Rute a Belém é em si mesma um
quadro em que a fraternidade, a alegria do reencontro fraterno resolve o
problema da saudade que estaria nos olhos interiores dos familiares e vizinhos, que agora eclodia em alegria comovida: “ entrando elas em Belém, toda a cidade se comoveu por causa delas, e diziam: Não é esta Noemi?”, (1,19)
Noemi, que é ainda a figura central da diegese, ciente do drama que vivera,
usa uma metáfora entre a imaginação e a realidade, ao declarar: “Não me
chameis Noemi (i.é. agradável); chamai-me Mara; porque grande amargura me  tem dado o Todo-poderoso”, (1,20)

A CENTRALIDADE DE UMA PERSONAGEM REAL

O facto de se considerar um livro canónico, integrando as Sagradas Escrituras
veterotestamentárias, de ser mesmo um livro da liturgia judaica durante a festa
do Pentecostes, tal não invalida que possa ser tratado como uma das mais
belas peças literárias da Bíblia Sagrada.
Assim, Rute é uma heroína em consequência da tragédia inicial que reverte em beleza e bênção.
Rute diante do que parece ser uma adversidade, adopta, pragmaticamente,
um modo de sobrevivência que só pode ser o sentimento e o bálsamo de Deus
a trabalhar no seu espírito.
No nosso século, com os instrumentos de análise do texto literário, lemos as
expressões do pensamento do puro amor -.ágape-,  sem sexismo ou
machismo prevalecente, uma antecipação  do romantismo, como um valor
imortal  no remotíssimo século XIII a.C.
“ Deixa-me colher espigas” disse Rute a Boaz. Este responde: ”Não ouves filha
minha? Não vás colher a outro campo, nem tão pouco passes daqui.(…)Os
teus olhos estarão atentos no campo que segarem(…), não dei ordem aos
moços, que te não toquem? Tendo tu sede, vai aos vasos, e bebe do que os
moços tirarem” ( 2, 8-9)
“Então ela caiu sobre o seu rosto, e se inclinou à terra” (2,10). Baixou os olhos,
por certo ruborizada. É poesia porque tem estrutura de verso e é simbólico de
uma atitude de respeito bem oriental. “Por que achei graça aos teus olhos”.
É um expressivo exemplo de lirismo que embeleza a humildade, não
a subserviência.  Um dos grandes poetas evangélicos clássicos brasileiros,
Jonathas Braga, escreve em “O Milagre do Amor” (poema longo sobre o livro
de Rute, de 1969): “Quem é essa criatura angelical que cisma / e a luz do seu
olhar sobre outro olhar abisma?”
Assim é o Livro bíblico de Rute: um quadro luminoso da gratidão, do apego aos
mais velhos e do amor com A maiúsculo.

© João Tomaz Parreira

FALAR COM DEUS EM CASTELHANO

JTP14

Esta expressão “ falar com Deus em castelhano”, que nada tem de estranha, é de uns versos de Miguel Torga (1907-1995), dedicados num poema a Miguel de Unamuno (1864-1936), no livro “Poemas Ibéricos”.
Torga diz de Unamuno,  poeta e filósofo espanhol em honra do qual tomou o nome Miguel no pseudónimo, que “ falava com Deus em castelhano/ Contava-lhe a patética agonia / Dum espírito católico, romano, / Dentro de um corpo quente de heresia”. Mas todos nós, de resto, falamos com Deus na nossa língua pátria.
Foi assim que o viu e sentiu os seus escritos, mas Miguel de Unamuno não foi “um corpo quente de heresia”, não foi de todo um herético, antes foi, por exemplo, um dos maiores leitores do Apóstolo Paulo, ainda que sob o prisma do sentimento trágico do Mundo.

E não foi assim que o apóstolo sentiu essa tragicidade, por exemplo, ao chegar a Atenas?

Também quando vislumbrou a tragédia espiritual que se podia estar a abater sobre os crentes cristãos da Galácia, conduzidos ao espartilho dos judaizantes?  Da rejeição e troca do Evangelho da Graça de Cristo por “outro evangelho”?

O mesmo sentimento de quase desânimo quando se dirigiu à comunidade cristã de Corinto, considerando os crentes ainda “meninos”, carnais, e submetidos a uma disputa de “lideranças”?

Outrossim quando, com a sua transparência e honestidade, profundamente ética e cristã, reconheceu que miserável homem que era (Ro 7:24), que não fazia o bem que queria, mas o mal que não queria esse fazia, não é com certeza o retrato da tragédia do ser humano, do seu sentimento de incapacidade própria perante o Bem e o Mal por causa do Pecado e da Queda?

Paulo sentiu como poucos esse sentimento trágico da vida, por isso se propôs anunciar o Evangelho da Graça de Deus como algo vital, necessário, imprescindível, o poder de Deus para a Salvação de todo aquele que crer.
Do sentimento trágico da Vida
A obra mais notável deste humanista – daí com certeza Torga falar de heresia- que foi Unamuno, é esse Del sentimiento trágico de la vida,  publicado em 1913, e na sua profundidade teológico-filosófica está repleto do corpus e do pensamento do autor das Cartas aos Romanos, aos Gálatas, etc.

Neste livro, trata o autor de El Cristo de Velásquez (poesia) acerca da vida dos homens e dos povos, designadamente o espanhol em período de convulsões e prestes a iniciar-se a hecatombe da Europa,  traça-lhes o destino da tragédia, com o ímpeto agónico (de agonia, no sentido de luta) de um religioso preocupado com o Homem e da necessidade deste de Deus. “ A este Dios cordial o vivo se llega, y se vuelve” ou “ Crêr en Dios es, en primera instancia al menos, querer que le haya, anhelar la existência de Dios”. – escreve o autor basco.    Neste sentido também vai outra obra de 1924, A Agonia do Cristianismo.
Ao passarmos pelo índice da obra “Del sentimiento…” a dimensão das temáticas tratadas dá-nos desde logo a grandeza desse tratado, diria de Teologia, são 12 capítulos repletos de Deus e do Homem, do Apóstolo Paulo e da Fé.

Depois de ler o Apóstolo Paulo, a Carta aos Hebreus e Miguel de Unamuno, só posso concluir que a Fé ( a “Pístis”, no grego, confiança)  é, também, um binóculo que transporta para perto de nós o que não está claro e ainda está distante.   A Fé já tem em si mesma a demonstração do que se não vê.
© João Tomaz Parreira